sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

Questões de Familia



Davi parece ter mais do que seus sessenta e tantos anos. Seus ombros caem; sua cabeça pende. Ele arrasta os pés feito um velho. Luta para co­locar um pé na frente do outro. Muitas vezes ele pára. Em parte porque a montanha é íngreme. Em parte porque ele precisa chorar.



Essa é a estrada mais longa que ele já tomou. Mais longa do que aquela que margeava o córrego que levava a Golias. Mais longa do que a estrada sinuosa do fugitivo que chegou a rei ou do que a estrada da culpa da convicção à confissão. Aquelas estradas têm algumas curvas sinuosas. Mas nenhuma se compara à subida do monte das Oliveiras.

Davi, porém, continuou subindo o monte das Oliveiras, cami­nhando e chorando, com a cabeça coberta e os pés descalços. E todos os que iam com ele também tinham a cabeça coberta e subiam chorando (2 Samuel 15:30).

Observe com cuidado e você descobrirá a causa das lágrimas de Davi. Ele não usa a coroa. Absalão, seu filho, foi levado à força. Davi não tem um lar. Aqueles muros altos atrás dele pertencem à cidade de Jerusa­lém. Ele foge da capital que fundou.
Quem não choraria em um momento como esse? Sem trono. Sem lar. Com Jerusalém na retaguarda e o deserto à frente. O que aconteceu? Ele perdeu uma guerra? Israel foi destruída pela doença? A fome matou seus entes queridos e levou sua força? Como um rei acaba velho e soli­tário subindo uma estrada íngreme? Vamos ver se Davi conta. Veja como ele responde a duas perguntas simples.
Davi, como vão seus filhos?

Ele assusta-se com o assunto. Catorze anos se passaram desde que Davi seduziu Bate-Seba, 13 anos desde que Natã disse a Davi: "A espada nunca se afastará de sua família" (2 Samuel 12:10).
A profecia de Natã mostrou-se dolorosamente verdadeira. Um dos filhos de Davi, Amnom, cobiçou sua meia-irmã, Tamar, uma das filhas de outro casamento de Davi. Amnom consumiu-se pelo desejo, tramou um plano e a estuprou. Após o estupro, ele descartou Tamar como se ela fosse uma boneca estragada.

Tamar, compreensivelmente, ficou arrasada. Ela pôs cinzas na ca­beça e rasgou a túnica colorida usada pelas filhas virgens do rei. "Muito triste, ficou na casa de seu irmão Absalão" (13:20). O versículo seguinte revela-nos a resposta de Davi: "Ao saber de tudo isso, o rei Davi ficou indignado".

Tamar, compreensivelmente, ficou arrasada. Ela pôs cinzas na ca­beça e rasgou a túnica colorida usada pelas filhas virgens do rei. "Muito triste, ficou na casa de seu irmão Absalão" (13:20). O versículo seguinte revela-nos a resposta de Davi: "Ao saber de tudo isso, o rei Davi ficou indignado".
Só isso? É tudo? Queremos um versículo maior. Queremos alguns verbos. Confrontar serve. Castigar seria bom. Expulsar, melhor ainda. Es­peramos ler: "Davi ficou indignado e... confrontou Amnom ou castigou Amnom ou expulsou Amnom". Mas o que Davi fez com Amnom?
Nada. Nenhum sermão. Nenhum castigo. Nenhuma reclusão. Ne­nhuma repreensão. Nenhuma censura. Davi não fez nada com Amnom.

E, pior ainda, ele não fez nada por Tamar. Ela precisava de sua pro­teção, sua afirmação, sua aprovação. Ela precisava de um pai. O que teve foi um silêncio. Por isso Absalão, seu irmão, se pôs na brecha. Ele pro­tegeu sua irmã e tramou um plano contra Amnom: deixá-lo bêbado e matá-lo.
Incesto. Engano. Uma filha estuprada. Um filho morto. Outro com sangue nas mãos. Um palácio em pé de guerra.
Mais uma vez era tempo de Davi dar um passo acima. Mostrar sua coragem que matou Golias, sua misericórdia que perdoou Saul, sua li­derança junto ao ribeiro de Besor. A família de Davi precisava ver o que havia de melhor em Davi. Mas eles não viram nada em Davi. Ele não interveio nem respondeu. Ele chorou. Mas chorou sozinho.

Absalão interpretou o silêncio como raiva e fugiu de Jerusalém para se esconder na casa de seu avô. Davi não fez esforço algum para ver seu filho. Por três anos eles viveram em duas cidades separadas. Absalão voltou para Jerusalém, mas Davi ainda se recusava a vê-lo. Absalão casou-se e teve quatro filhos. "Absalão morou dois anos em Jerusalém sem ser recebido pelo rei" (14:28).

É possível que tal afastamento não tenha sido fácil. Jerusalém era uma cidade pequena. Para evitar Absalão era preciso tramar planos e es­pionar todos os dias. Mas Davi conseguiu ignorar o filho.

Mais precisamente, ele ignorou todos os filhos. Uma passagem de sua vida mais tarde mostra sua filosofia para educar seus filhos. Um deles, Adonias, encenou um golpe. Reuniu carruagens, cavaleiros e seguranças pessoais para assumir o trono. Davi se opôs? Você está brincando? Davi "nunca lhe perguntava:'Por que você age assim?'" (1 Reis 1:6).

Davi, o Homer (personagem do famoso desenho animado Os Simpsons) dos pais da Bíblia. A imagem da passividade. Quando lhe per­guntamos sobre seus filhos, ele apenas suspira. Quando lhe fazemos a segunda pergunta, seu rosto fica branco.
Davi, como está seu casamento?

Começamos a suspeitar de que há problemas no capítulo 3 de 2 Samuel. O que parece uma genealogia chata é, na verdade, um desfile de bandeiras vermelhas.

Esses foram os filhos de Davi nascidos em Hebrom: o seu filho mais velho era Amnom, filho de Ainoã, de Jezreel; o segundo, Quileabe, de Abigail, viúva de Nabal, de Carmelo; o tercei­ro, Absalão, de Maaca, filho de Talmai, rei de Gesur; o quar­to, Adonias, de Hagite; o quinto, Sefatias, de Abital; e o sexto, Itreão, de sua mulher Eglá. Esses foram os filhos de Davi que lhe nasceram em Hebrom (vs. 2-5).

Contei seis esposas. Acrescente Mical, sua primeira esposa, à lista e Bate-Seba, a mais famosa, e Davi tinha oito esposas — eram tantas que não dava para dar um dia da semana para cada. A situação piora quan­do descobrimos uma passagem escondida na Bíblia de família de Davi.
Depois de listar o nome dos filhos de Davi, o genealogista acrescenta: "Todos esses foram filhos de Davi, além dos que teve com suas concubinas" (1 Crônicas 3:9).

As concubinas? Davi gerou outros filhos por meio de outras mães, e nem sabemos quantos foram. Nosso lado cínico se pergunta se Davi sabia. O que ele estava pensando? Ele não ficou sabendo da instrução de Deus? "O homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher" (Gênesis 2:24)? Um homem. Uma mulher. Um casamento. Soma simples. Davi optou pela trigonometria avançada.

Davi fez muita coisa também. Unificou as 12 tribos em uma na­ção. Idealizou conquistas militares. Fundou a cidade capital e exaltou Deus como o Senhor do povo, levando a arca para Jerusalém e abrindo o caminho para o templo. Escreveu textos poéticos que ainda lemos e salmos que ainda entoamos. Mas, em se tratando de família, Davi foi um desastre.

Ausentar-se de sua família sem ter permissão para isso foi o maior erro de Davi. Seduzir Bate-Seba foi um ato de paixão imperdoável, mas explicável. Assassinar Urias foi um ato cruel, mas previsível, de um cora­ção desesperado. Mas educar os filhos de forma passiva e flertar normal­mente? Esses não foram pecados decorrentes de uma tarde preguiçosa ou de reações irracionais de defesa pessoal. A confusão da família de Davi foi um estupor crônico que lhe custou caro.

Alguns anos atrás, um jovem marido veio me procurar, orgulhoso por ter uma esposa em casa e uma amante em um apartamento. Ele usava a infidelidade de Davi para justificar a sua. Até disse que estava cogitando a poligamia. Afinal, Davi foi um polígamo.
A resposta certa para tal burrice é: leia o restante da história.
Você se lembra de Absalão? Davi, por fim, reconciliou-se com ele, mas era tarde demais. As sementes de amargura haviam espalhado raízes profundas. Absalão resolveu arruinar o pai. Recrutou homens do exérci­to de Davi e encenou um golpe.

Sua tomada de poder preparou o terreno para a triste saída de Davi de Jerusalém — para o monte das Oliveiras e para o deserto. Sem coroa. Sem cidade. Simplesmente um homem pesaroso, solitário e velho. "Davi, porém, continuou subindo o monte das Oliveiras, caminhando e choran­do, com a cabeça coberta e os pés descalços" (2 Samuel 15:30).

Legalistas, no final, buscaram a queda de Absalão. Quando ele tenta escapar em um cavalo, seus cabelos longos se enroscam em uma árvore e os soldados lhe atravessam uma lança. Davi ouve a notícia e desaba: "Ah, meu filho Absalão! Meu filho, meu filho Absalão! Quem me dera ter morrido em seu lugar! Ah, Absalão, meu filho, meu filho!" (18:33).


Lágrimas tardias. Davi teve êxito em todos os lugares, menos em casa. E se você não se dá bem em casa, será que se dá bem de alguma ma­neira? Davi teria lucrado com o conselho do apóstolo Paulo: "Pais, não irritem seus filhos" (Efésios 6:4).

Como explicamos o lar desastroso de Davi? Como explicamos o silêncio de Davi em se tratando de sua família? Nenhum salmo escrito sobre seus filhos. Sem dúvida, de todas as suas esposas, uma merecia um soneto ou cântico. Mas ele nunca falou sobre elas.

Com exceção da oração que ele ofereceu pelo bebê de Bate-Seba, as Escrituras não dão indicação de que ele orou alguma vez por sua famí­lia. Ele orou acerca dos filisteus, intercedeu por seus guerreiros. Ofereceu orações por Jônatas, seu amigo, e por Saul, seu arquiinimigo. Mas, no que diz respeito à sua família, é como se seus membros nunca tivessem existido.

Davi estava ocupado demais para notá-los? Talvez. Ele tinha uma cidade para fundar e um reino para edificar.
Ele era importante demais para cuidar deles? "Que as mulheres eduquem os filhos; liderarei a nação."
Ele estava se sentindo culpado demais para apascentá-los? Afinal, como Davi, que havia seduzido Bate-Seba e embriagado e assassinado Urias, podia corrigir seus filhos quando eles estupraram e assassinaram?

Ocupado demais. Importante demais. Culpado demais. E agora? Tarde demais. Uma dúzia de saídas por demais demoradas. Mas não é tar­de demais para você. Seu lar é um privilégio do tamanho de um gigante, sua principal prioridade. Não cometa o erro trágico de Davi. Como você responderia às perguntas que fizemos para ele?

Seu lar é um privilégio do tamanho de um gigante, sua principal prioridade.

Como está seu casamento?
Considere-o como um violoncelo da marca Testore. Esse instru­mento raramente visto e primorosamente construído chegou à categoria de instrumento raro e está rapidamente ganhando o status de um instru­mento que não tem preço. Poucos músicos têm o privilégio de tocar um Testore; um número ainda menor deles pode ter um.

Conheço um homem que tem um. Engolindo seco, ele o empres­tou para mim para um sermão. Desejando ilustrar a frágil santidade do casamento, pedi a ele que colocasse o instrumento de quase três séculos no púlpito e expliquei seu valor para a igreja.

Como você acha que tratei a relíquia? Eu a girei, atirei para o alto e arranquei as cordas? De forma alguma. O violoncelo é valioso demais para meus dedos desajeitados. Além disso, seu dono o emprestou para mim. Não tive coragem de estragar seu tesouro.

No dia em que você se casou, Deus emprestou sua obra de arte: uma obra-prima feita com esmero e formada com precisão. Ele confiou-lhe uma criação única. Valorize-a. Honre-a. Tendo sido abençoado com um Testore, por que sair por aí tocando outra coisa?

Davi não entendeu isso. Colecionava esposas como quem colecio­na troféus.Via as esposas como meios de obter prazer, não como parte do plano de Deus. Não cometa o erro dele.

Seja impetuosamente leal a um cônjuge. Impetuosamente leal. Sequer olhe duas vezes para outra pessoa. Sem flertes. Sem provocações. Sem perder tempo na mesa dela ou demorar-se no escritório dele. Quem se importa se você dá a impressão de ser rude ou puritano? Você fez uma promessa. Cumpra-a. E, ao cumpri-la, eduque os filhos que Deus lhe dá. Como andam as coisas com seus filhos?

No dia em que você se casou, Deus emprestou sua obra de arte: uma obra-prima feita com esmero e formada com precisão.

Heróis silenciosos ponteiam o panorama de nossa sociedade. Não usam faixas nem beijam troféus; usam babadouros e beijam feridas. Não estão nas manchetes, mas aparecem nos rodapés, nas linhas gerais e nas linhas laterais. Você não encontrará o nome deles na pequena lista do prêmio Nobel, mas nas listas de sala de aula, do "transporte solidário" e de professores da Bíblia.

São pais, tanto de sangue como de gestos, de nome e de datas es­peciais. Heróis. Programas jornalísticos não os chamam. Mas tudo bem. Porque seus filhos os chamam... Eles os chamam de mãe. Eles os chamam de pai. E essas mães e pais, mais valiosos que todos os executivos e legis­ladores do oeste do Mississipi, em silêncio, unem o mundo.

Esteja entre eles. Leia livros para seus filhos. Jogue bola se puder, e eles querem que você faça isso. Tenha por objetivo assistir a todos os jogos que eles jogarem, ler todas as histórias que escreverem, ouvir todos os recitais em que se apresentarem.

Filhos soletram amor com cinco letras:T-E-M-P-O. Não só tempo de qualidade, mas tempo à toa, tempo ocioso, qualquer tempo, todo o tempo. Seus filhos não são seu passatempo; são seu chamado. Seu cônjuge não é seu troféu, mas seu tesouro.

Não pague o preço que Davi pagou. Podemos avançar alguns ca­pítulos até chegarmos às últimas horas de Davi? Para ver o terrível preço de uma família negligenciada, veja como nosso herói morre.
Davi está a algumas horas da sepultura. Começa uma sensação de frio que os cobertores não podem tirar. Os servos concluem que ele precisa de uma pessoa para aquecê-lo, alguém para abraçá-lo firmemente enquanto ele dá seus últimos suspiros.

Filhos soletram amor com cinco letras:
T-E-M-P-O.

Eles recorrem a uma das esposas de Davi? Não. Chamam um de seus filhos? Não. Eles procuram "em todo o território de Israel uma jo­vem que fosse bonita... a jovem, muito bonita, cuidava do rei e o servia, mas o rei não teve relações com ela" (1 Reis 1:3,4).
Acho que Davi teria trocado todas as suas coroas conquistadas pelos braços ternos de uma esposa. Mas era tarde demais. Ele morreu aos cui­dados de uma estranha porque fez de sua família pessoas estranhas.
Mas não é tarde demais para você.
Faça de sua esposa o objeto de sua maior devoção. Faça de seu marido o recipiente de sua mais profunda paixão. Ame a pessoa que usa sua aliança.
E cuide das crianças que levam seu nome.
Seja bem-sucedido em casa primeiro.

Livro: Derrubando Golias ( Max Lucado )  - capítulo 17.

O poder de encorajar o seu cônjuge

O incentivo deve ser uma parte regularmente praticada de um casamento saudável - palavra-chave:  praticada  .  O bom incentivo é julgad...