sexta-feira, 3 de junho de 2016

Lições Do Casamento De Um Pastor: Charles e Susannah Spurgeon – Parte 1 -


“Se é verdadeiro de uma maneira geral que ‘O que acha uma esposa acha o bem e alcançou a benevolência do SENHOR’, quanto mais no caso dos ministros que são encorajados e auxiliados por suas parceiras na vida. Os membros das igrejas cristãs pouco sabem o quanto eles devem às esposas de seus pastores…” Charles Ray, autor da biografia de Spurgeon.
Você provavelmente não precisa de muita introdução a respeito de Charles Spurgeon, um pastor inglês batista do século 19 que continua sendo influente no meio cristão até hoje e que recebeu o apelido de “ Príncipe dos Pregadores.” É difícil sumarizar como foi a vida de um homem como esse, mas aqui estão alguns rápidos fatos sobre ele:
– Ele tanto foi convertido quanto começou a pregar ainda adolescente.
– Ele era o pastor da congregação New Park Street Chapel (posteriormente chamada de Metropolitan Tabernacle) em Londres por 38 anos.
– Durante sua vida, Spurgeon pregou para aproximadamente 10 milhões de pessoas, frequentemente pregando até 10 vezes por semana em diferentes locais. A maior multidão para a qual ele pregou foi de 23,654 pessoas (isso foi antes da época dos amplificadores!).
– No ápice de seu ministério, seus sermões eram publicados diariamente em jornais tanto na Inglaterra quanto nos Estados Unidos.
– Ele era um orador tão talentosos que encantava multidões de ouvintes, e era um produtivo autor de diversos tipos livros- sermões, uma autobiografia, comentários, livros de oração, devocionais, revistas, poesia, hinos e outros. Seus sermões eram uma obra de arte em “pensamento penetrante e precisa exposição”. Suas mensagens têm sido consideradas dentre as melhores na literatura cristã.
– Ele foi uma pessoa importante na tradição Batista Reformada, defendendo a Igreja de acordo com a Confissão de Fé Batista de Londres de 1689, se opondo às tendências liberais e pragmáticas de sua época. Foi altamente criticado. Ele estava envolvido em diversas controvérsias com a União Batista da Grã-Bretanha, e eventualmente teve que sair da denominação.
– Ele também é lembrado pelas suas obras de caridade – por exemplo, começou com uma organização chamada “Spurgeon’s”, que atualmente é um ministério global, e também fundou a “ Universidade Spurgeon” , a qual recebeu o seu nome após a sua morte.
Mas a esposa de Spurgeon, Susannah, é menos conhecida.
Eu gostaria de começar dando a vocês um breve histórico da vida em comum deles, e depois vou preenchendo as lacunas à medida que damos uma olhada com mais atenção em diversas áreas do casamento que eu acredito que existem lições a serem aprendidas.
Uma Breve Biografia Do Casamento Deles
Em um certo domingo em Dezembro de 1853, Charles Haddon Spurgeon, que na época tinha apenas 19 anos, estava pregando na New Park Street Chapel em Londres . Susannah Thompson não tinha comparecido ao culto da manhã, mas ouviu falar muito bem dos seus amigos sobre o pregador. Para agradá-los e por curiosidade, ela aceitou assistir ao culto vespertino. Na verdade, ela não ficou muito impressionada com o Pastor Spurgeon, achando que ele parecia um pouco fora de moda com seus cabelos longos e mal cortados, seu enorme terno preto de cetim e um lenço azul e branco. Ela comentou, “então essa é a sua famosa eloquência! Não me impressiona. Que maneiras rústicas! Será que ele algum dia vai parar de brincar com esse horrível lenço azul de seda? E o cabelo dele!…” Porém, mais tarde, eis o que ela disse sobre esse dia:
“Eu considerei comigo mesma quão pouco meus olhos contemplaram a ele que viria a ser o amado da minha vida; Quão pouco eu sonhei sobre a honra que Deus estava preparando para mim no futuro próximo! É apenas por misericórdia que nossas vidas não são deixadas para nós mesmos planejarmos, mas que o nosso Pai escolhe para nós; do contrário nós poderíamos virar as costas para as maiores bênçãos, e afastar de nós os melhores e mais amorosos dons da Sua providência… Oh, como meu coração é vão e tolo! Eu não tive uma mente suficientemente espiritual para compreender sua sincera apresentação do Evangelho e seu poderoso apelo aos pecadores.”
Spurgeon eventualmente aceitou o pastorado dessa Igreja, e Susannah o encontrou novamente. Porém nenhum dos dois lembrava-se com detalhes da primeira vez que se viram. Aparentemente Susannah logo superou seus preconceitos e frequentemente ouvia as pregações de Spurgeon. Não foi muito depois dos seus fervorosos chamados ao arrependimento que ela despertou, e atentou para o fato de que o seu próprio estado espiritual estava longe de ser o que deveria. Ela já havia se convertido antes disso, mas então ela percebeu quão relaxada ela havia se tornado. O Senhor Spurgeon deu a ela uma cópia do Peregrino para ajudá-la e também a aconselhou espiritualmente. Ela disse: “eu disse a ele do meu estado diante de Deus e ele gentilmente me guiou, pelas suas pregações, conversas, pelo poder do Espirito Santo para a Cruz de Cristo, para a paz e perdão que a minha alma tanto buscava.” A amizade entre Spurgeon e Susannah cresceu e eventualmente, em Junho de 1854, Charles lhe revelou os seus sentimentos. Em menos de dois meses ele a pediu em casamento. Eles se casaram em Janeiro de 1856 e quase no fim daquele ano vieram os gêmeos. Eles seriam os únicos filhos de Spurgeon.
Logo após o nascimento dos meninos, um dos eventos mais traumáticos do casamento deles ocorreu. Num certo domingo à noite, enquanto a Senhora Spurgeon estava em casa com as crianças, Chales saiu para pregar num casa lotada no Salão de Música. Durante o sermão, alguém gritou, ”Fogo!”. No pânico e tumulto que se seguiu, várias pessoas foram mortas. Spurgeon estava tão emocionalmente devastado com esse evento que ele ficou sem condições de pregar por um tempo. Para piorar, isso trouxe um criticismo público a Spurgeon. Ele selecionou comentários e críticas dos jornais, algo que continuou fazendo durante sua carreira. A família foi embora por um tempo até que ele se recuperasse e conseguisse voltar ao trabalho. Esse evento teve um impacto por toda a vida em Spurgeon.
Os primeiros anos de suas vidas juntos foram felizes e relativamente livres de preocupações. Susannah alegremente passava seu tempo ao lado de seu marido, o acompanhando em muitas de suas viagens para pregar. Mas após 10 anos de casamento, a senhora Spurgeon ficou cronicamente doente e acamada por boa parte do tempo. Ela estava frequentemente tão doente que não conseguia sair de casa para ouvi-lo pregar. Ela fez o melhor que pôde para encorajá-lo e suportá-lo em seu ministério apesar de sua fraqueza, e seguiu adiante criando seus filhos como uma esposa piedosa. Os dois meninos professaram conversão ainda jovens rapazes e foram batizados por seu pai na Igreja Metropolitana Tabernáculo em 1874. Esse comentário de Spugeon é certamente o sentimento de muitos de vocês, que tiveram o privilégio de ver seus filhos serem convertidos: “Nós não tivemos nem a metade da alegria com o nascimento deles quando comparamos com a alegria que tivemos com o novo nascimento deles.”
É impressionante pensar na carga de trabalho que Spurgeon tinha. Uma semana comum para ele incluía escrever, pregar e publicar um sermão semanal; tomar conta de um orfanato, um seminário para pastores, uma casa de misericórdia, nos quais ele estava envolvido em fundar; ler e responder a aproximadamente 500 cartas, e pregar até umas 10 vezes em igrejas que ele ajudou a plantar.
Charles mesmo se tornou muito doente mais tarde. Ele sofreu de gota, o que as vezes era muito doloroso, por mais de 20 anos, mais ou menos a partir dos seus 35 anos. Mais tarde ele foi afastado por semanas ou até meses todos os anos em razão de diversas doenças. E também sofreu períodos de depressão. Spurgeon faleceu relativamente cedo, aos 57 anos, em 1892, após 40 anos de pregação. Susannah ficou viúva por aproximadamente 12 anos, morrendo em 1903.
Lições da vida conjunta deles:
Existia um importante aspecto espiritual no relacionamento deles
Isso era como um refrão constante na vida deles. É importante ressaltar esse aspecto antes dos demais pontos porque é a verdadeira explicação para eles conseguirem fazer tanto pelo Senhor mantendo o foco em comum.
Logo no período de corte, Charles e Susannah desenvolveram um desejo pelas coisas espirituais, e isso apenas se aprofundou durante a vida deles juntos. Esse desejo espiritual é evidente, por exemplo, no que Spurgeon escreveu para Susannah antes do casamento: “Querida, comprada pelo sangue do Salvador, você é para mim um presente Dele, e meu coração está transbordante com o pensamento de contínua bondade… o que quer que sobrevenha a nós, problemas ou adversidades, doença ou morte, nós não precisaremos temer uma separação final, seja um do outro, seja do nosso Deus.” É claro pelo escrito que Charles via o relacionamento deles como algo muito mais profundo do que uma simples conexão de sentimentos. Mesmo quando nós desconsideramos um pouco da linguagem Vitoriana romântica comum à época, é notório que Charles via Susannah como um presente de Deus para ele.
Ele procurava ver o relacionamento deles como algo firmado no passado, no sacrifício de Cristo na cruz, e que durasse muito além dessa vida. Susannah certamente contribuiu para esse foco no aspecto espiritual. Enquanto preparava capítulos para a sua autobiografia após a morte dele, ela dizia: “eu estou contemplando e aguardando para ver o meu amado novamente – não como ele era quarenta anos atrás ou até mesmo sete anos atrás, mas como ele será quando eu for chamada para me unir a ele novamente… então eu estou aguardando ansiosa por essa bendita esperança, a gloriosa volta do grande Deus e nosso Salvador Jesus Cristo.”
Existia uma vulnerabilidade espiritual entre os Spurgeons. Mesmo antes do casamento, Charles escreveu isto para sua futura esposa: “Eu temo não ser tão cheio de amor a Deus como eu costumava ser. Eu lamento meu triste declínio em coisas espirituais. Você e outros podem não ter observado, mas eu agora estou consciente disso… eu te peço, junte as suas orações com as minhas.” Orar um pelo outro era algo muito importante para eles.
Havia outras evidências tangíveis dessa espiritualidade. Eles gastavam tempo lendo juntos: autores como Jonathan Edwards, Richard Baxter, e outros antigos autores Puritanos. Eles até mesmo publicaram uma coleção de Teologia Puritana juntos. Desde o início, o amor espiritual deles era o elo que fortalecia o amor terreno deles. Charles escreveu para Susannah pouco antes de falecer: “seu amor por mim não é um produto apenas da natureza, mas tem sido tão santificado pela graça que tem se tornado uma bênção espiritual para mim.”
Esse profundo tom espiritual do casamento deles é evidenciado de várias formas. Tanto os desafios como os sucessos que aguardavam por eles dificilmente seriam alcançados se a conexão entre eles fosse simplesmente pragmática ou apenas emocional. Como veremos repetidamente em diversos aspectos mais adiante, eles eram centrados em Deus antes de serem centrados neles mesmos, e isso deu a eles uma grande estabilidade.


Envie sua semente de Amor... faça pra Deus o que nuca fez e tenha de Deus o que nunca teve.
-Banco do Brasil Agência 6965-5 c/c800727-6 
Quando Você abre suas mãos na Terra, Deus abre os celeiros celestiais pra sua vida.
Se você quiser de Deus o que nunca teve, faça pra Ele o que nunca fez.
Deus te abençoe e honre com amor INCOMUM.
Com Amor... Pra. Francis.

O poder de encorajar o seu cônjuge

O incentivo deve ser uma parte regularmente praticada de um casamento saudável - palavra-chave:  praticada  .  O bom incentivo é julgad...